Esperança

Filho das moiras, que o tecem
Excêntrico e capcioso deus
Não nego, achei que esquecestes de mim
Inconseqüente fui ao lhe testar
Xamã da vida, senhor das escolhas
Deixei de lhe seguir
Encantado com o chamado de sua irmã
Senhora da escuridão que tanto desejei
Trago agora uma centelha de fênix
Inconstante ainda, porém luminosa
Nessas trevas de depressão
O ontem ainda vive, mas já enxergo o amanhã

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mente deseja aquilo que o corpo não poderá ter

Sonhos foram feitos para serem sonhados, pesadelos para serem vividos