Renascimento

Eu sou a fênix que não renasceu
Perdido no limbo por anos
Mas agora, de uma fagulha, a chama cresceu
E minha alma finalmente reviveu
Alimentada por uma feliz coincidência
Um encontro fortuito do destino
Um olhar que viu a máscara da minha essência
A alegria, cantada como um hino

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A mente deseja aquilo que o corpo não poderá ter

Sonhos foram feitos para serem sonhados, pesadelos para serem vividos