Postagens

Mostrando postagens de Setembro, 2007

Viagem ou Insanidade?

Imagens desconexas em minha mente
Neuroses fatais, cores distorcidas
Sanidade se fora a tanto...
Alucinações conscientes, quase despercebidas
Nada é impossível, nada faz sentido...
Isso é o que chamamos de êxtase?
Depois não me lembrarei de nada
Assim o peso da culpa será menor...
De tudo isso só levarei a leveza e, depois, a dor
E mesmo assim, irei de novo, um escape para mim mesmo

Quando não se consegue enxergar

Estou tentando entender
Sem mesmo conseguir enxergar
Trilhando meu caminho às cegas...
Onde está a pessoa que iria me guiar?
Utópicas visões ou escuridão profana?
Carrego sobre meus ombros o peso dos meus erros
E por eles estou quase ao chão...
Gelo quando ouço um sussurro sombrio
Onde antes estava tudo que me sustentava...

Preciso...

Eu sempre precisei de um pouco de carinho
Sou totalmente dependente do outros
Tudo perde a cor quando se está só...
Ou melhor, quando se está sozinho...
Ultimamente isso tem acontecido muito...
Continuamente busco por companhia
Até mal acompanhado é melhor...
Reescrevo minhas idéias
E entendo que só quero atenção
Nada mais que um pouco de carinho
Tanto para mim, tão pouco para você
Entenda, estou carente...

O que mais odeio na vida

Hoje entendo-me com mais clareza
Isso é algo que não tem perdão
Posso ser condenado pelo crime que a condeno...
Obrigado por me fazer odiá-la
Comesso a entender que não posso julgar a ninguém
Repito isso em minha mente, mas meu coração não entende
Idolatre e fassa aquilo que deseje mas
Saiba que uma hora colheremos o que plantamos
Infinitas vezes lhe desejo uma vida longa
Assim poderá sofrer o que sofri com sua hipocrisia

Amizade

Ainda não a entendo bem
Mas continuarei tentando aprender
Isso que penso ser a maior dádiva
Zênite conseguido dificilmente e perdido facilmente
Amar e proteger,
Dar, não esperando receber nada
Encontrar no silêncio tudo que queria ouvir.

Medo

Medo de te magoar, medo de mim mesmo
Entenda que tenho dúvidas para onde seguir
Devo ter errado na ultima curva, ou na anterior
Ouve um tempo em que pensei que seguir reto era a melhor escolha
Direto para o futuro, direto para o abismo
Então tenho que escolher entre direita e esquerda
Amanhã não dará mais tempo para escolhas
Mais dúvidas sobre a minha vida
Amar passou a ser sinonimo de duvidar
Remouo meus sentimentos, e penso se não deveria esperar...

Dúvidas

Agora estou receoso
Morro de medo de escolher o caminho errado
Onde antes via um sorrio, agora vejo apenas dúvidas
Receio escolher a estrada que me levará ao abismo
E perceber que estou caindo só depois do fim
Devo esperar na encruzilhada por ela?
Última chance de escolher, antes que tudo desapareça
Vitimado por minha indecisão serei
Invadido pelos pensamentos do erro
Devo continuar aqui esperando?
Aonde poderei encontrar meu companheiro e guia por este caminho?

Sonhos Despedaçados

Sinto medo de mim mesmo, do que posso fazer
Ouço minha mente gritando que devo me afastar
Nego-a, assim como nego a voz do coração...

Horas avançam sem me dar conta
Olhos fechados, não quero ver
Sua voz me chama de volta a realidade, a tristeza...

Depois fico em dúvida quanto ao que vejo
Espero pacientemente que alguém venha, segurar-me a mão
Salvar-me da escuridão, guiar-me pelas sombras...

Perdido da graça,
Entre as brumas tenebrosas da minha vida
Desisto de tudo, não quero mais procurar a luz...

Ainda sonho com ela
Com alguém para me guiar
Ainda não escolhi, pois espero alguém para me acompanhar...

Depois de tudo ainda tento encontrar
O meu caminho e alguém para amar
Sem medo das sombras, abençoados pelo luar

Desculpe

Desisto de tentar
Esquecer também não consigo...
Solidão me assola novamente
Custo a dormir pensando...
Uma vez mais magoei a quem amo
Levarei mais essa culpa para o túmulo...
Perdão não me será dado
E fadado ao esquecimento, me vou

Uma Ultima Carta

Amada amiga,

Fui deixado sozinho novamente... O que fiz agora? Você me conhecer tão bem, mas está sempre tão distante, tão fria...
Só dessa vez, me responda... O que fiz de errado? Não quero mais tentar descobrir...
Olho para o céu e não vejo mais o azul. Fito aqueles que se dizem meus amigos, e vejo que nenhum deles sequer notou... No final, sou apenas mais uma pessoa sem importância...
Fico aqui pensando... Será que morrer dói? Já sei, já até sei... "Por que você não experimenta? Mas antes me avise, quero lhe dizer 'adeus, seu cretino hipócrita'"
Acho que você tem razão... Não, tenho certeza. Sou um hipócrita, um cretino mentiroso...
Agora acho que entendo... Nunca aprendi a amar... Não sei o que é ter amigos, confiar e me entregar... Sempre estive separado do mundo por uma parece invisível, uma parede formada por mentiras e sentimentos inventados. Uma parece que por dentro é escura, fria e silenciosa...
É isso que você queria dizer com "a culpa não é só sua"? N…

Abismo

Eu entendi... Entendi como começou tudo isso... Entendi que sentimento é esse que me destruiu por dentro...
Não consigo explicar muito bem... Acho que isso não pode ser explicado... A vida passou muito perto, muito rápida... E quando terminou de passar, levou consigo algo... Algo que me impedia de ver o abismo bem na minha frente...
O que uma pessoa normal pensa na frente desse abismo? Retroceder... Acho q todos pensam assim no primeiro instante... Mas, não podemos voltar...
O tempo nunca irá voltar... Não podemos criar um novo começo... Mas podemos mudar agora e criar um novo fim...
Feliz é aquele que pôde ver o abismo e dele experimentar sem nele cair... Pois esses sim poderão dizer, quando estiverem bem velhinhos, antes de sua morte, que viveram verdadeiramente, e não se arrependem de nada...
Este é o ultimo passo... É sempre o ultimo passo... A escolha entre seguir reto ou cair no abismo...

“Com o tempo você aprende a sutil diferença entre dar a mão e acorrentar uma alma”
William Shake…

Solidão

"Sinto-me tão sozinho agora
Como se não houvesse mais nada,
Mais ninguém
Que pudesse me levantar
Me colocar de volta à vida

Me sinto bem pior do que estava
Como se não houvesse mais nada que me segurasse
Como se o abismo me chamasse com mais intensidade
Agora, vendo a escuridão da noite
Me dá uma sensação tão estranha...

Somente a lua a me iluminar
Somente ela a me acompanhar
Me ouvir
Me entender

Meu amor acabou se afastando e a culpa é toda minha
Saber disso é uma lástima
Comigo agora, apenas a solidão
Devo me acostumar com isso

Sozinho nesse mundo inútil e incompreensível
Sem o amor que sempre tive,
E que joguei fora
Por pensamentos inúteis

Terrível saber que só agora fui me tocar
de que é você que eu quero
É de você que eu sinto falta todos os segundos
É a sua companhia que é tudo pra mim,
Nesse, e em todos os outros momentos de minha vida..."

O Avesso

Não te amo mais
Estarei mentindo dizendo que
Ainda te quero como sempre quis
Tenho certeza que nada foi em vão
Sinto dentro de mim que
Você não significa nada
Não poderia dizer jamais que
Alimento um grande amor
Sinto cada vez mais que
Já te esqueci
E jamais usarei a frase
EU TE AMO
Sinto muito; mas tenho que dizer a verdade
É tarde de mais...



/\

Carta de um(a) apaixonado(a)

“Nós só percebemos quando uma pessoa realmente é importante, quando a perdemos. Eu perdi uma pessoa. Acho que uma das mais importantes da minha vida...
A culpa foi minha. Eu o magoava. Ele mudou por minha causa. Porque eu pedia... Ou melhor... Mandava. Ele me obedecia porque me amava. Eu já desconfiava disso, mas procurava evita-lo sempre. Até mesmo um simples pedido eu negava... E ele sofria por isso. Tantas brigas e discussões por motivos ínfimos... Chegava a ser humilhante para ele.Eu não deixava transparecer meus verdadeiros sentimentos... Na realidade, nem sabia quais eram... Queria me isolar do mundo. Estava com medo de confundir... Confundir uma simples amizade exacerbada com amor... Medo de me magoa-lo de novo. De me magoar.
Ele é... Ou era... Um de meus melhores amigos. E, mesmo depois de tantas brigas, ele não me abandonava. Fazia de tudo para me alegrar... Como se isso fosse possível... E tudo isso porque me amava... E agora eu percebo o sofrimento dele... Porque também o amo…
Lágrimas rolam pelo meu rosto sem eu conseguir contê-las... O escuro se fecha cada vez mais em minha volta... Faz tempo que parei de torcer pra q alguém acenda a luz e me fale q foi tudo uma brincadeira... Não, isso não vai acontecer...
Não escuto mais aqueles outros... Aonde será que eles foram? Aonde será q foram os que estavam antes deles? Aonde foram todos os que estavam aqui, todos q passaram por aqui?
Seguiram suas vidas... Mas nenhum se lembrou daquele no canto, abraçado as suas pernas, se movendo para frente e para trás, tentando espantar as trevas que o cercam...
Ninguém se lembrou de tirá-lo dalí, ou pelo menos de acender a luz ao sair... Ninguém nem ao menos pensou nessas possibilidades...
Agora novamente sozinho, espero pelos próximos... Será q alguém se importará? Será q alguém se lembrará dessa sombra?
Lágrimas continuam rolando... Como é difícil tudo isso... Só queria colocar o ponto final nessa história...

O Cavalinho e a Borboleta

Esta é a história de duas criaturas de Deus
que viviam numa floresta distante há
muitos anos atrás.Eram elas, um cavalinho e uma borboleta.
Na verdade,
não tinham praticamente nada em comum,
mas em certo momento de suas vidas se
aproximaram e criaram um elo.A borboleta era livre,
voava por todos os cantos da floresta
enfeitando a paisagem.Já o cavalinho, tinha grandes limitações,
não era bicho solto que pudesse viver
entregue à natureza.
Nele, certa vez,
foi colocado um cabresto por alguém
que visitou a floresta e a partir daí sua
liberdade foi cerceada.A borboleta, no entanto,
embora tivesse a amizade de muitos
outros animais e a liberdade de voar
por toda a floresta,
gostava de fazer companhia ao cavalinho,
agradava-lhe ficar ao seu lado e não era por pena,
era por companheirismo, afeição,
dedicação e carinho.Assim, todos os dias, ia visitá-lo e lá
chegando levava sempre um coice,
depois então um sorriso.Entre um e outro ela optava por esquecer
o coice e guardar dentro do seu coração o sorriso.Sempre o cav…

Medos e Sonhos...

Qual seu maior sonho? Qual seu maior medo?
Duas perguntas tão fúteis e fáceis de responder... Mas, diga a verdade... Pense antes de responder...
O que é um sonho? Não digo aquelas imagens que você visualiza durante o sono... Quero dizer, qual o objetivo da sua vida? Por que você vive? Qual é a coisa que você luta todos os dias para conseguir?
Esperava ouvir isso... Não quero essas coisas fúteis que chamam de sonhos... "Ser rico", "viajar para tal lugar"... Quero dizer, o que move tua alma? Qual o verdadeiro significado de sua vida?

E quanto ao medo? O que mais te aterroriza? Qual a coisa que te tiraria o chão, te jogaria ladeira abaixo, te faria pensar como um de nós, condenados ao silêncio?

Difícil de responder, não? E se eu te disser que essas duas perguntas são a chave para a verdadeira identidade de uma pessoa? Nossa alma é sustentada por nossos sonhos, enquanto nossos medos nos fazem descer pelo Abismo...
Qual é a mais forte? Pra qual lado você pende mais? Você é um…

Tendências...

Quem nunca pensou nisso? Um jeito fácil e rápido de resolver todos os problemas... Uns pensam q apenas vão criar mais problemas e sofrimento para os seus, outros simplesmente não têm coragem...

Mas, e quem tem coragem? Você já pensou nisso? Como pensa uma pessoa que chega a essa atitude extrema?

Não é de hoje que não me importo com o que os outros pensem... Sou dono de minha vida, faço dela o que quiser... Mas, não tenho coragem de tirar minha máscara nem na derradeira hora...

Esquecer pelo álcool, pela adrenalina, pela overdose de sons e sabores... Pertenço a um grupo que nem essa atitude conseguiu completar... Uma, duas, três, várias vezes... Um jogo em busca da perfeição no ato, no derradeiro perfeito... Afinal, não quero trazer mais problemas do que poderia trazer... Quero que todos saibam que fui eu o arquiteto disso tudo, mas ao mesmo tempo quero manter tudo isso em palavras pequenas, numa dúvida respondida, mas que não se cala...

Tento buscar isso do jeito que muitos fizeram... Uma…

...

Odeio fingir... Falar manso quando quero gritar, rir quando quero chorar... Ver a pessoa amada triste, desanimada, e não poder abertamente ir ajudá-la... Ter que fingir que nada mudou, enquanto se sabe que sua máscara esta rachando...
E se eu perdesse a calma? Não quero mais saber os motivos, ou não poderei manter minha máscara de pessoa comum. Quero abraçá-la, beijá-la, dizer pra todos o que penso, o que sinto, não mais dizer coisas bonitas pra mantê-los longe da verdade, nem tentar me aproximar como um amigo...
Agora tenho que me mostrar indiferente, tenho que continuar minha vida, mesmo sabendo que está cada vez mais difícil...
Queria apenas que as coisas não fossem tão difíceis...